A mamã da SO vai ter um bébé!

A SO tem falado da sua mana que está na barriga da mamã! Com o projeto «Somos corpo» ela tem explorado a sua barriga, colocando os bébés dentro da camisola, explorando esse momento que é a gravidez! Num olhar atento fomos dando resposta a esta provocação, (a área dos bébés foi criada quando a CO também teve uma mana) e desafiámos a mãe da SO para vir à nossa sala fazer uma barriga de gesso!
 Os pais da SO são enfermeiros e estavam disponíveis para esta partilha tão generosa! Vieram e preparam tudo!
A SO toca muitas vezes na barriga da mamã e sabe que ela é quentinha e fofa, mas esta barriga especial era diferente, dura, molhada...tão diferente e tão interessante!
 Todos os amigos se envolveram nesta exploração e espantaram-se durante todo o processo!

Sabemos que a mana da SO está na aqui dentro, e sabemos que podemos explorar a NOSSA barriga mágica!
Envolvidos no projeto de pintura corporal resolvemos deixar uma «festinha» colorida nesta barriga especial...
 
Então pintámos as mãos e deixámos marcas cheias de afetos e miminhos! Cada um de nós (os que desejaram fazê-lo) marcámos as nossas mãos na barriga, cada um sabe exatamente onde está a sua marca!
Convidámos os papás da SO para virem à nossa sala deixar as suas marcas também!
Deixámos secar, colocámos uma laçarote cor de rosa e preparámos a surpresa...
A nossa oferta já está na casa da SO!! Estamos todos á espera da chegada sa sua mana!

  • Valorizamos os interesses e as vivências de cada criança para fazer nascer os nossos projetos. Sabemos e entendemos a criança como protagonista (tal como a sua família) e coautor da construção do seu currículo. « Quando o foco é a observação, a pergunta que nos orienta é: observar o quê? E a resposta que cabe é: as capacidades da criança. É na ação do professor de ler o grupo que ele pesquisa, estuda, dirige e encaminha. Cria-se,assim, um campo no qual é possível a criança escolher, agir e ser protagonista de sua aprendizagem. São essas as dimensões.» Denise Nalini ( doutora em Educação na FEUSP – SP, coordenadora pedagógica no instituto Pró Saber, formadora no Instituto Avisa Lá e professora de pós graduação do Instituto Singularidades, SP.)
  • Respeitamos o tempo da criança e das suas vivências, não acelerarmos aquilo que deve ser vivido a seu tempo. Criamos janelas de oportunidade que vão sendo exploradas a cada momento, com várias propostas, recursos diversos e com a participação de diferentes parceiros. «Num mundo cada vez mais acelerado, educar as crianças exige tempo. O protagonismo infantil não combina com pressa, é preciso dar-lhes tempo de ser criança.» Tânia Landau
  • Usamos uma linguagem correta e verdadeira, queremos que a criança explore e aprenda de verdade as coisas da vida, explorando as suas cem linguagens « Tudo que lhe permita criar um mundo de infância, um jeito de ser criança. É preciso respeitá-las como alguém que possui seu próprio corpo, desejos, sentimentos, pensamentos, imaginação e força motriz.» Tânia Landau ( pedagoga pela PUC-SP e Especialista em Educação Lúdica pelo ISEVEC. Fundadora e diretora da CONVERSO Assessoria Pedagógica. Colaboradora em projetos e publicação da Fundação ABRINQ. Membro da diretoria da Casa do Povo (instituição cultural).
Fechamos o ano letivo com esta reflexão sobre o nosso último projeto...
Se as descobertas da criança se fazem de forma articulada, dentro de todas as áreas e domínios  então os nossos projetos e propostas devem partir dessa constante escuta da voz de cada criança, devem ser vividos no seu tempo, dentro das suas capacidades exploratórias e interrogativas.
 Não estimulamos demasiado, nem podemos deixar perguntas por responder, não aceleramos os conteúdos , mas degustamos cada descoberta.
Só desta forma podemos tornar as vivências momentos significativos. 





Comentários